• Professor Alexander Lima

Décimo-terceiro e resiliência financeira


Esta época do ano é muito aguardada pelos trabalhadores por conta do recebimento do esperado décimo terceiro salário. Este recurso extra, se bem empregado, pode ser a chave para a solução, ou pelo menos a mitigação de problemas severos. Por outro lado, se utilizado por impulso, ou para satisfazer desejos momentâneos, além de representar uma oportunidade perdida, pode gerar novos problemas!

O cenário do “pintou grana extra” pode ser encarado por muitos como a chance de realizar aquela compra desejada, aquele eletrônico de última geração, ou até mesmo ser “consumido” em restaurantes e confraternizações de final de ano. Os lojistas, por sua vez, estão de olhos e cofres abertos esperando que esse recurso aqueça seus negócios. 

Nada disso seria “pecado”, se não houvessem dívidas! Cartão de crédito, cheque especial, prestações de imóvel, carro... No caso das dívidas com bancos, àquelas com juros altíssimos, é importante que esta seja quitada imediatamente. 

O montante de juros cobrados representa uma verdadeira avalanche caso não sejam honrados em dia. Além disso, o atraso e inadimplemento gera negativação e bloqueia suas possibilidades de compras futuras. Olha o seu décimo terceiro pintando como uma oportunidade de se livrar desse fantasma! Além disso, outras prestações, se adiantadas, geram desconto, mais uma oportunidade de planejamento para não gastar seu dinheiro com juros!

Se você não tem dívidas ou prestações, pense no começo do próximo ano e em todas as obrigações que se renovam com ele. IPVA, IPTU, renovação da matrícula e material escolar... pense um pouco mais adiante, lá em abril, se normalmente tem imposto de renda a pagar. Esse recurso extra pode representar uma forma de diminuir esse sofrimento com esses gastos extras de início de ano. 

Planejar é trabalhar preventivamente, tomar decisões antecipadas. Projete os meses futuros e certamente irá verificar que esse dinheiro pode fazer uma diferença positiva lá na frente.

Mas se você é um dos brasileiros premiados que não tem nenhum desses problemas, pense na sua RESILIÊNCIA FINANCEIRA. Se você nunca ouviu falar nesse termo, entenda que resiliência é uma terminologia oriunda da física que de uma maneira geral diz que quando um corpo é agredido ou deformado ele volta a sua condição inicial com maior facilidade e rapidez. O que isso tem a ver com planejamento financeiro? Pense na sua rotina, nos seus gastos mensais, nos seus ganhos, e imagine a ocorrência de um imprevisto! Como fazer? E agora? Se você se planeja e pensa na sua resiliência financeira certamente terá “algum” para essas emergências. Se não tem, pense que o décimo terceiro é uma ótima oportunidade para começar a gerar essa reserva.

Depois de comentarmos sobre as possibilidades, vamos ao que NÃO fazer: Se suas finanças não estão saneadas, evite compras parceladas utilizando seu décimo terceiro como entrada. Espere uma melhor oportunidade, evite os juros, prefira comprar à vista;

O clima de Natal, renovação, boas festas é um grande atrativo para compras por impulso de itens que muitas vezes são objetos de desejo e não de satisfação de necessidades. Fique atento para não se arrepender de uma compra mais tarde.

Por fim, lembre-se: um bom planejamento financeiro começa com conversa em família e participação de todos. Defina objetivos e prazos. Tenha foco, persistência e disciplina, e, sobretudo, desenvolva conversas sobre o tema, busque sempre o conhecimento!

Um bom décimo terceiro a todos!


Postagem original realizada em dezembro de 2018 em contabilidade.professoralexanderlima.com