• Professor Alexander Lima

Contabilidade: a ciência da riqueza! Quebrando paradigmas no ensino das ciências contábeis!


Turma de Gestão Empresarial do Centro Universitário Celso Lisboa

Este ano recebi dois convites para ministrar um módulo de MBA sobre “contabilidade para tomada de decisão”.

Certamente este é o módulo mais desafiador e atraente para mim, pois, é oportunidade de ver no semblante dos estudantes três importantes mudanças de pensamento: 

1. Contabilidade não é tão difícil quanto parece; 

2. Ao empreender preciso saber minimamente esses conceitos e técnicas; 

3. Achava que contabilidade não era tão importante assim para a gestão do meu negócio, pensei que fosse somente geração de informação.

Essa última turma foi mais desafiadora ainda, pois não havia nenhum profissional graduado em contabilidade entre os inscritos, assim, a retórica teria que ser caprichada!

Em minha função como docente, sinto-me renovado sempre que consigo vencer essas três barreiras que mencionei. Mudar o pensamento das pessoas a respeito da ciência contábil é algo estimulante, pois não estamos apenas cumprindo com um requisito docente ou alcançando o objetivo pedagógico de um módulo de MBA, estamos cumprindo com uma função social importante.

O grande Mestre Antônio Lopes de Sá, nomeava nossa profissão como sendo a “ciência da riqueza”. Ele afirmava isso não com a empáfia de quem lida com o dinheiro dos outros, mas sim daqueles que são responsáveis pela prosperidade das empresas.

Nossas organizações são pequenas células de um organismo maior, que é a nossa sociedade. Se nossas células estão sadias, prósperas, nosso organismo evoluirá de forma saudável e brilhante, garantindo que todo o sistema colha os frutos desse potencial que ajudamos a construir.

Se os resultados alcançados retroalimentarem a organização de maneira eficiente, alcançaremos o crescimento. Se estimularmos todas as “células” a fazerem o mesmo, garantiremos o desenvolvimento e a força de nossa pátria.

É como se fosse uma espiral de positividade: empresas empregam, trabalhadores compram mais, mais empresas crescem, mais os entes arrecadam e todos saem ganhando!

Nosso Mestre conclui que a contabilidade não se resume somente a geração de balanços ou apuração de resultados; e eu ouso complementar o Dr. Lopes de Sá: também não é apenas cumprir com a burocracia fiscal. Tudo isso é informação! O que faz um grande contador é justamente a habilidade e o conhecimento para fazer melhor uso dessa informação, ou seja, gerir, aconselhar, planejar, observar, garantir e decidir.

Bom, voltando a última turma que trabalhamos, a motivação para eu escrever este post foi exatamente o retorno oferecido pelos estudantes na quebra dos 3 paradigmas. Veja algumas opiniões:

“Excelente a didática do professor! Me fez entender com mais clareza a importância da contabilidade para nos ajudar no diagnóstico da saúde de uma empresa”


“Entrei no módulo sem saber direito como a contabilidade poderia me ajudar na tomada de decisão, mas ao decorrer e com as atividades em sala de aula eu consegui enxergar como iria me ajudar na tomada de decisão em um empreendimento. Sai do módulo muito satisfeita”


“Uma outra visão sobre contabilidade e o processo de tomada de decisão. Aproveitarei bastante dessa matéria em minha jornada”

“Muito satisfatório! no início pensei que fossem somente números hoje saio bem diferente de quando começamos”


Vi no semblante daqueles estudantes a vontade de continuar, de seguirem a diante, pois descobriram na contabilidade uma aliada, alguém indispensável para a prosperidade, para a geração de riqueza!

Aconselhei aos que ainda não farão uso desta nova habilidade, que exercitem, conversem a respeito, leiam, participem! Não se permitam voltar a cegueira sobre algo que acaba de despontar sobre seus olhos como algo promissor e necessário.

A todos aconselhei que façam como os Rolling Stones! Sim, como os Rolling Stones!

Nunca fiquem satisfeitos!

11 visualizações